sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Desta Toca Felina, por Syssy Virtuale



.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
. .
Pois eu digo que sou Onça, e sigo por aqui de botas e garras, muitas garras.
Lambo minha Felínea por entre os dentes cerrados com todo o meu amor, enquanto carrego minha toca nas minhas costas-
E Gosto.
.
.
Adorno esta toca, nada oca, com minhas gotas:
Elas são do Encantamento.
O imáculo cristalino é ritualizado aqui em rubra pulsação,
numa cegueira inócua à sua mediocracia,
{Sua ridícula hipocrisia},
Há muito já achatada.

Dizem as Boas Línguas que sou Louca.
Obsessiva, Possessiva, Perigosa,
Macumbeira, ou era maconheira?, que Rasteira, que Doidera!-- Passei dessa chapação;
Mas meu guardião realmente é um gato preto, bicho brabo,
e sete vidas temos cada um= 21.
Poetizo os meus desvios [minhas pílulas], e mergulho nos meus vórtices.
Já talhei-me do meu peito ao ventre, pra parir a minha Verdade.
E Esta aqui, é a Minha Identidade.
[Por isso para tí, Polêmica:]
SOU INCENDIÁRIA.


Mas a Verdade, como toda Mulher, é obstinada, e vestida de Fábula, já adentrou com reverias no palácio do xeque em voga-
Entenda agora, que o foco da Esperança já aurora: Aqui.

Felina Feminina sou Menina, e Falo Mudo quando Frágil, mas sei me defender.
Guardo os meus Guardados com minhas notas, pílulas e botas, e dou meu passo à sua frente.
Quando a cara dada a tapa esquenta, visto a minha luva de veludo para desatordoar:
É assim que sei marcar.
.
.
Uma Nota aos Ínfimos Chacais:
Aqui gaiatada, mija-se é de porta
CERRADA-
.

.

9 comentários:

KIMDAMAGNA disse...

Foi audiotactilado,
o rugido da Onça,
aqui.

"Prum passado" ,
uma pérola.

reinvenção do devaneio.

Um mergulho a nu na semântica.

Parabens
Kim

Marcelo disse...

Pense numa mulher braba, rs! Sim, baby, a verdade pode ser o amor incondicional. O resto . . . Fui procurar o sentido da palavra amor no dicionário. Ai um deles, relacionado a sexo, era assim:

4 Inclinação forte por pessoa de outro sexo, geralmente de caráter sexual, mas que apresenta grande variedade de comportamentos e reações.

Procuremos, então, alguma esperança e discernimento nesta variedade de comportamentos e reações.

Adorei seu poema, beijos.

_ _ _ _ t _ _ disse...

"Mas a Verdade, como toda Mulher, é obstinada, e vestida de Fábula, já adentrou com reverias no palácio do Xeque em voga-
Entenda agora, que o foco da Esperança já aurora: Aqui."

Uau! Cheguei rugir aqui!
Acho que no fundo toda mulher é meio onça mesmo. Algumas se disfarçam de gata mas no fundo não passam de onças - das mais selvagens-. É bom ser assim, é bom também ver gente que tem ginga brincar com as palavras - o brincar gracioso - assim como acabei de presenciar. Divino lugar este aqui, divina toca a tua que solta feras tão sublimes.
Parabéns!


:*

Paulo Bono disse...

Que doidera, Onça!

grande abraço, syssy

SAMANTHA ABREU disse...

puxa.. atordoante.
Lindo, Syssy...

muitas sensações.

Beijos,

Paulo Castro disse...

Um jogo de versos e coro. Jogo grego, Eurípedes principalmente, ou Sêneca, que fez com que a esposa do pai amasse o filho. O que tem isso ? O duplo jogo: Nada mais bonito que amar o filho que não lhe saiu do ventre, mas por outro lado ( over kill ) trepar com ele são outros quinhentos.
Aqui tem esse mais e menos quinhentos com o jogo do coro. E mais, jogo de espelho que se faz matemático para enigma daquele antigo livro que mãe dava, a aprender gostar de matemática: o homem que sabia calcular...
Se não é 14, faltam 7.
E há a foto: mais sete, que é simulacro, engano, porta cerrada intimamente ( cabeça coração inspirados ): e no embaço, ombros magros que se aproximam, uma feitura de lábios, uma cena pensada. Mas isso fica do lado de cá, na carne. Sobre o espelho, o que se conseguiu, o objetivo, o poema, o que se arranhou no leitor aventuroso que se meteu aqui.
Uma teorização da sedução.
Beijos.
°

KARLA JACOBINA disse...

Estive fora de órbita, gatusca, mas ká estou, again.

E vc, novamente provocante, felina e fogo na roupa.

Beijos!

Hans Clausen disse...

"Quando a cara dada a tapa esquenta, visto minha luva de veludo."

incendiária.

Lais Mouriê disse...

Você faz o que quer com as palavras, hein? Uma FERA!!!!

Bjos