segunda-feira, 19 de novembro de 2007

MARINA, por Karla Jacobina

Graça Loureiro


Marina é menina que traz no rosto, lábios grossos, como a dois gomos de mexerica. Quando era pequena, falava mais do que a mulher do homem da cobra! Mas, não se sabe bem ao certo se por causa da tagarelice que partiu com a chegada dos livros, ou se em um dos amassos no muro da igreja um gato comeu sua língua... O fato é que a menina tem passado os dias calada diante do espelho mudo da penteadeira do seu quarto.

Com a porta e os gomos cerrados, Marina se pinta. Ela gosta de dar asas pustiças a seus cílios, pôr seus olhos em descanso debaixo de uma sombra fumê, corar com rouge e gliter as maçãs do rosto e clarear sua pele e pensamentos com pó de arroz.

Na boca, não passa nada. Ela pensa que na boca, tanto homens como mulheres passam coisas demais. Guardanapo, margarina, batom, fio dental, dor de dente, doce de leite, unha suja, beijos roubados, palavras, palavrão, porra, porrada, pentelho, pecado, gnomos, bananada e mais uma dose do mesmo.

Marina abre a porta de sua casa e deixa a língua guardada no céu da boca. As más línguas de seu bairro a chamam de obra inacabada, suas amigas brigam porque umas querem terminar de pintá-la de vermelho e outras querem de rosa-choque e seu namorado vira um bicho vendo Marina mais parecendo uma onça-pintada do que uma namorada decente.

- Marina, morena Marina porque se pintou?
- Ora amor, porque eu falo mais do que a boca.





18 comentários:

ALAN disse...

DANADINHA A MARINA EHMMMM...

BEIJO KARLINHA

F. Reoli disse...

Sabia que já fiquei fã das tuas palavras??? :)
Beijos

Anônimo disse...

Por que Marina namora? Melhor seria viver de casos . . .

Marcelo Ferrari disse...

Sugiro enxugar a marina. bj.

Kimang disse...

desfazendo a teia linguístico-social. Há aqui nesta deliciosa narração uma realidade póstuma, alicerçada num ficionismo que se APALPA.
Muito bom mesmo este seu voo por entre os EUS e TUS do nosso universo.
Claro como água transparente...
complicado isto? complicado é o "era uma vez" e o " casaram e viveram felizes para sempre"

Kimang

Dani Morreale disse...

huahuahuahua
sapecas - a Marina e você.

Maria Muadié disse...

Marina da boca livre.

José Calvino disse...

Querida Karla,
Com "Marina", você me fez rejuvenescer, menina!!! Agora mesmo estou curtindo "Marina", na voz de Dorival Caymmi.
Obrigado por você existir...
Beijos do,
Calvino

Paulo Bono disse...

Marina é um nome bonito. combina com Mar.

abraço, jacobina

Salve Jorge disse...

E quando o que vem da boca
A deixa louca
Melhor buscar outra
Expressão para tal situação
Afinal diante da imensidão
Toda palavra é pouca...

Andre Jerico disse...

êita que essa Marina tá mais pra Geni... Será que batons tem peso de pedras?

beijo do Jerico
www.ideiadejerico.com
www.projetomacabea.wordpress.com

SAMANTHA ABREU disse...

Babe...
sabe que sou suspeita pra falar. Por dois motivos:

1º sou tua fãããã
2º adoro essas mulheres... mulheres.
hehehehe

Amei seu texto. Ele é nostálgico, surreal e por isso, esconde uma realidade tão próxima, mascarada e deliciosa!

Parabéns, Karlinha!
Beijos!

Lais Mouriê disse...

Acho que sou a Marina, Ká... Putz!!!!

Linda Marina!

Bjos, lindeza!

disse...

Que texto mais colorido... bonito demais.

MARIAESCREVINHADORA disse...

Marina sabe das coisas, Karla.
Perfeito,

Beijo,

Conceição

E.R.L. disse...

Escuta eu tô amando te ver(ler) escrever assim. Aquela ida pra chapa foi tudibão mesmo. Aí conhecemos ocês.

bejos!

André disse...

Karla, adorei.
Senti um super embasamento sem seu texto. Sabe aproveitar muito bem tudo o que nos cerca. Mto bom.
Eu sempre quis saber pq a Marina se pintou...
=*

Paulo DAuria disse...

Oi moça!

Uma de minhas amigas mais queridas se chama Marina. E ele tem vivido uma fase de busca e descobrimento também, faz vinte anos amanhã.
Difícil pra mim ler seu texto sem pensar nela. Mas não só pelo nome em comum, mas porque, como em toda boa literatura, você conseguiu ser universal.

Beijos