sábado, 10 de novembro de 2007

Por Martha Galrão



Lampejo
aos trinta meu corpo verga
de temores e prazeres.

Almejo
um dia estarei mais velha.

Anseio
um dia estarei mais forte.

Dona Maria, Parteira.

19 comentários:

KIMDAMAGNA disse...

A simplicidade é apanágio dos iluminados.
Você É mais forte, agora...

Kimang

paulo dauria disse...

Inexoravelmente vamos todos ficando mais e mais velhos.
Conquistar essa calma, essa sabedoria, essa força... Isso já é para poucos. E dói, como um parto. Essa foto ficou perfeita em seu poema.

Grande Beijo
Paulo

Tyler Bazz disse...

Mais sábia!!

KARLA JACOBINA disse...

Marthinha!

Belíssimo.

O corpo está sempre curvado à algo. Quando jovem, muito aos prazeres. Quando anciãos, tanto aos sofreres como aos amares, tanto às dores como às delícias... nos curvamos à vida.

Parzinho de beijos.

disse...

A foto fez um par sem par com o poema. Simples e categórico. Amei.

Fao disse...

bonito blog....

Jeniffer Santos disse...

quanto mais o tempo passa,mais forte devemos ficar,e assim aprender com a vida ;)

beijos ^^

SAMANTHA ABREU disse...

Martinha
tuas palavras são limpas, translúcidas...
e eu fico boquiaberta com o que você é capaz de fazer com elas.

Lindo.
Beijos, querida.

Lais Mouriê disse...

Tão simples, delicado é sábio!

A beleza e a sabedoria dos idosos ficaram transparentes nos teus versos!

E que bela foto!

Bjos

inominável disse...

os meus 30 ou os teus trinta?

José Calvino disse...

Marthinha,
Eu sou do tempo que as mulheres davam à luz com o auxílio de uma parteira! Então a foto de dona Maria junto com o poema ficou uma fortaleza de lindo...
Mais uma vez meus parabéns, baiana!
Beijos do,
Calvino

Sílvia Câmara disse...

Tão poucas palavras...
E tanto.
um beijo, Martha

Clóvis Campêlo disse...

Anseio: um dia estaremos mais doidos do que doídos.
Almejo: um dia seremos mais eternos do que mortos.
Estremeço: só de pensar que tudo isso é um sonho.
Poetisa, amo o seu texto.

Ludmila Barbosa disse...

Perfeito esse poema!!!

Salve Jorge disse...

E esse tempo
Sempre propenso
A erodir a carne
E soerguer a alma
Calma
Haverão navalhas
E certamente
Haverão unguentos
E tudo ido
Haverão histórias...

Maria Muadié disse...

Fico super contente em ouvir o que vcs pensam. beijos,
Martha

Maria Muadié disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Moacy Cirne disse...

Muito bem. Gostei desse espaço. E de seu poema. Digo-o com certo atyraso, é verdade. Mas antes tarde do que nunca, como afirmam por aí. Um abraço.

Casulo Temporário disse...

Também chego eu com atraso ao sábado...
O parto da mulher no poema, do sábado para todos os dias. Palavras precisas, foto perfeita.
Parabéns por esse espaço de sete mulheres em torno de sete dias!