domingo, 16 de dezembro de 2007

Do amor, por Juliana Hollanda


mormaço queima
a pele de nuvem e
brinca de fazer cócegas
imponentes nas pintas do tempo que sobra.
olhos, óculos escuros, sorte, calor, VOCÊ.

Perdi o medo de amar.

10 comentários:

José Calvino disse...

Querida Juliana,
Hoje domingo, tempo quente e abafado, cheguei da praia... vejo nos Versos de Falópio:"olhos, óculos escuros, sorte, calor, VOCÊ". O calor "Do amor" desses versos está na evocação do verão como a estação associada ao amor.
Adorei!
Abração do,
Calvino
Recife

jupyhollanda disse...

Olá José,

A praia aqui no Rio foi maravilhosa tbm...o q me inspirou esse acróstico, simples e quente...

rsrsrsrsrs

Bjo

Ju

jupyhollanda disse...

sim, o verão É AMOR...

;)

Juliana Farias disse...

que legal o blog de vcs... nossa... eu e uns amigos tb temos na mesma dinamica de um por dia postando...

www.mentesdiversas.blogspot.com

acho que vou linkar vcs, posso?

bjaummm

Alisson disse...

hummm.
verão.
sol.
mar.
vento.
nuvem.
chuva.
sol novamente.

E teus cachos molhados chicoteando meu rosto, no movimento de amar.

Teu poema me lembrou meu domingo...

Lais Mouriê disse...

O mormaço queima. E o amor, mesmo morno, arde!

Bjos, minha linda apaixonada!

SAMANTHA ABREU disse...

senti arrepios nos pêlos.
delícia de ler.

Paulo D'Auria disse...

Ju,

Adorei as "cócegas nas pintas do tempo que sobra"!

Lindo poema!

Beijos

Sabrina Carla. disse...

Descrição de amor no verão perfeita!
adorei isso aqui, voltarei sempre.

fiquem na paz e nas provas...

Jota disse...

Maravilha.

Maravilha.

Amor, sem se jogar, que graça tem?