sábado, 22 de dezembro de 2007

por MARTHA GALRÃO

Irisz Agocs




Uma amiga me contou que para apaziguar seu medo de morrer seu pai lhe dizia: Calma, menina, gente não é passarinho.

A falta de fome ontem, o sol abrasa dor hoje, os compromissos da manhã e o medo me deixaram louca de enxaqueca agora à tarde.

Essa mania de ver demais apesar dos seis graus de miopia. Deus me deu de alívio seis graus, e eu insisto em apertar os olhos e querer nitidez. Haroldo sempre me diz que sou muito teimosa. Ontem, às oito da matina, vejo no posto de gasolina um casal que havia acabado de ser libertado de um sequestro-relâmpago. Ontem, no final da manhã, vejo (de longe) que um morador de rua matou com uma pedrada na cabeça um outro homem que dormia no Largo da Mariquita. Ali, pertinho de mim, do mar, do acarajé da Cira e de Caramuru.

Uma fraqueza me domina. Recolho minhas asas apesar do tempo bom.

Brisa de maravilhas sopram em meu dia:
De Bia, vejo a palavra Mãe;
de minha mãe, vejo a Sete Portas, dois pombos brancos desamarrados e soltos;
de Anaís, eu vejo a palavra Amor
e de Amanda, vejo os olhos pretinhos ávidos de mundo.

"Quero chorar, não tenho lágrimas", os tempos exigem fortaleza.
Os papéis se inverteram ainda a pouco, eu sinto medo.
Ainda ontem eu era uma menina franzina na praia da Pituba de mãos dadas com meu pai enfrentando ondas altíssimas. Ficávamos atentos, de frente para o mar, perscrutando os desígnos das ondas: as que deveriam ser puladas - delícias, vôos marinhos; as que deveriam ser mergulhadas - forte emoção, o maremoto passando por cima da minha cabeça.

Hoje, essa menina franzina vive disfarçada nessa mulher que vos fala, e amanhã mesmo, assim disfarçada, vai segurar a mão de seu pai, um menino disfarçado em senhor, para enfrentar um mar revolto.

Forjando uma força que nem tem.
Que os passarinhos do céu digam: Amém.

Martha Galrão

14 comentários:

anjobaldio disse...

Meninas do Falópio: fiquei muito feliz em conhecer a literatura maravilhosa de vocês. Grande literatura brasileira contemporânea! Desejo para todas vocês muita criatividade neste novo ano. Bjs.

Paulo D'Auria disse...

"Deus me deu de alívio seis graus, e eu insisto em apertar os olhos e querer nitidez"

Nossa, Martha! Que forte! A realidade se insinuando em texto poético, oscilando entre esperança e desencanto.

Parabéns!

Koluki disse...

Amen.

KIMDAMAGNA disse...

o sol abrasa dor hoje

Uma pungente prenda do Real, ofertada pela sua veia poética.
No meio do desgastante sofrimento, a beleza interna de um sentimento, bom...
Bonito...

Kandandus

SAMANTHA ABREU disse...

meus olhos se encheram de lágrimas.
essas, me brotam com textos assim, Martinha.

Lindo demais.

Um beijo, e feliz natal!

José Calvino disse...

Continue forte, Marthinha!
Até porque tudo seu é amor, você é uma poeta, cuja veia poética dá prazer aos sentidos e eleva o nosso espírito...
Beleza, baiana!
Amem (sem o acento agudo)!
Beijos do,
Calvino
Recife

Clóvis Campêlo disse...

O que os olhos não vêem o coração não sente? Duvido! O mundo nos invade pelos cinco sentidos, pelos sete buracos da cabeça, pela força sintética da inteligência.
Quero chorar e tenho lágrimas e tenho os olhos rasos d'água.
A vida é um moinho!

Adriano Carôso disse...

Adorei o texto e virei frequentador assíduo do Falópio, uma delícia. Parabéns Martha!

Jota disse...

Esse texto é sentar na areia olhando o mar, de lindo.

Parabéns.

MARIAESCREVINHADORA disse...

"Forjando uma força que nem tem
que os anjos do céu digam Amém..."
Lindo, Marthinha.
Aproveite bem o sol, o mar, a mão de papai, Bia, Haroldo e quem mais estiver com você nesse feriadão.
Parabéns e Boas Festas em Guaibim.]

Beijos,

Conceição

she is a lover of life but a player of pawns disse...

Eu...estou sem palavras. Sempre venho aqui, mas nem, sempre escrevo, sabe como é, preguiça.
Mas nesse momento que estou vivendo, não posso me esconder das palavras que só tornam as emoções mais rebeldes. OBRIGADA, elas me tocaram muito, e até - ora, até. Muito me fizeram ver as coisas de um jeito diferente hoje.
Continuem o bom trabalho!

Maria Muadié disse...

quantas palavras lindas...estou emocionada. Um beijo para cada um.

martha

disse...

Que belíssima construção de imagens. Vi tudo como um filme antigo, em preto e branco. Lindo demais.

KARLA JACOBINA disse...

Marthinha,

Me identifico muito com o que escreve. Assim como o Roberto Carlos canta para a maioria das mulheres, parece que vc escreve pra mim!!

Beijo

*