terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Não quero ser Rosa, por Samantha Abreu

foto de Alex Krivtov
.
.
.
.....Meu Deus, o que eu queria mesmo era ter um homem por dia. Queria viver de aventura, amar efêmero, total. Acordar todas as manhãs ao lado de alguém diferente. Não, ninguém sabe disso. Eu finjo bem, mas queria mesmo é ser puta, daquelas bem rameiras.
.....Queria me vestir de Maria, Clarice, Joana, Sueli e pegar delas todos os homens. Ser a amante desejada, sonhada. Sabe? Daquelas que eles sussurram à noite, enquanto as santas dormem ao lado?

.....E também porque tenho raiva de ter que limpar essa casa, lavar as roupas dessas crianças e preparar a comida dele. Essa vida que se arrasta cansativamente. E ainda sou obrigada a ouvir elogios? Não, não sou mãe de família coisa nenhuma, minha gente. Minha cabeça é suja feito fundo de calcinha gozada e minha alma é iníqua, padre. Sou uma pecadora consciente.

.....Sou outras, muitas e, dessas tantas, nenhuma é flor que se cheire.
.
.

29 comentários:

Oliver Pickwick disse...

Meninas, esta semana vocês estão escrevendo os textos com nitroglicerina pura. A Laís, no seu blog, também não deu refresco. E, chego aqui e me deparo com este "Não quero ser rosa".
Cena de um cotidiano forte, intenso, difícil de suportar, mas repleto de sensualidade. Parabéns por este texto dramático e erótico, Samantha!
Só tenho uma dúvida, querida Samantha, sabe se o padre sobreviveu a esta confissão? Sei não, vai lá que o cara tem pressão alta.
Um beijo ao clube da luluzinha mais charmoso, bonito e inteligente da blogosfera!

Paulo Castro disse...

Não ser for que se cheire. Isso sim é o que diz uma mulher. Tem uma música do Péricles Cavalcanti que diz assim, Sa: "Eu sou boa quando sou boa, mas quando só má, eu sou ótima...". Bom, né ?
Mulher de quase-subúrbio, mulher de salário do marido, mulher que assiste sem assistir o Vale a Pena Ver de Novo.
E lá, no dentro, as cores.
Até o século XV, existia um tipo de pintura feita em cinco telas pequenas. Três delas mostravam cores alegres, vibrantes. E estavam encaixadas entre si. As outras duas, eram de um cinza, de um furta-cor, encaixados entre si, sem graça.
O cinza ficava na frente, tapando as telas de cor.
Só em dias de festa, a dupla cinzanta sumia.
E a cor surgia.
Vale a pena ver O NOVO.
Beijos !!!
°

Paulo Bono disse...

uma de suas melhores obras.

abraço, Samantha

Jana disse...

Adorei, dos que li ultimamente o que mais gostei, pq isso ai n deve ser tão raro rsrs

Beijos

Tyler Bazz disse...

Como sempre, ótimo!!!

Amsterdan é a solução \o/

*¢£@üD!NhA''' disse...

Tu descobre demais Sá...
hehehe

Muito bom!

;**************

Dani Morreale disse...

HUAUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!!

Jéssica V. Amâncio disse...

Nossa, gostei viu?!Nunca vi um texto assim, admitindo não querer ser pura nem coisa nenhuma. Gostei mesmo!

jupyhollanda disse...

como diz Mário Bortolotto: "a mim me gustan las mutchachas putanas"...

Veja no You Tube http://www.youtube.com/watch?v=PVwCrOiHlLQ

é muito bom!!!

Brilhante, SÁ!

bJÚ

SAMANTHA ABREU disse...

pois é, Jú!
Bortolotto é da minha terrinha, tem pé vermelho.

ahahahahaa
Ele esteve aqui semana passada, no Londrix, e leu esse poema. Sabe que percebi que tem tudo a ver!
(risos)

Beijos!!!

Paulo D'Auria disse...

Fui direto ao século xvii, quando se queimavam mulheres na fogueira acusadas de bruxaria. Seus feitiços? Desejo.
E hoje essas mulheres se consumindo por dentro, em silêncio.
Dando voz a elas, seu grito.

Beijo

anjobaldio disse...

Ôi Samantha, esses versos de falópio estão cada vez demais. Todas vocês estão de parabéns. Belas e maravilhosas escritoras.Bjs.

Lais Mouriê disse...

sabe, Sá, isso tudo me soou tão puro que vc nem sabe... o desejo é o que há de mais puro em nós! Ficou lindo este teu grito direto, limpo, verdadeiro e puro!

belíssimo! Um dos meus preferidos!

Bjos

poupéezinha disse...

Coisinha mais safada....
Pq não assumir a essência mais fêmea que a rameira? Agora, o meu ideal mesmo seria encontrar e ser a cobiça de todos os homens n´um só, e ser todas as fêmeas reunidas em um só corpo-matéria.
Dias cozinhar, dias ser maria, dias ser a Blue Moon, nome de guerra.
Dias ser a Mme. Cindy......
Beijos gatusca.

Linda Graal disse...

hummm!! lembrei-me do pica-flor de Gregório!! nada de flor, né Sá?!? eta mulher voluntariosa! kkkkkkkkk!!
e esta foto está compondo belamente!!

Lindo espaço...sempre!!

Maz disse...

tão suja quanto fundo de calcinha gozada! perfeitoooo...
sempre mto talentosa, seria mto suspeito eu vir aqui e não dizer isso. mas é que de fato me faltam palavras. sempre que te "leio", me inspiro :)
parabéns

Polly disse...

"Sou outras, muitas e, dessas tantas, nenhuma é flor que se cheire".

Adorei sua frase! Acho que a vida não teria graça se não tivéssemos este lado misterioso, de riscos...de adrenalina na veia. De querer ser outras, não é?

Ahh, menina! Que tudo poder ouvir Carpinejar tão de perto. Virei fã!
Beijos

José Calvino disse...

Querida Samantha,

O seu grito foi do tamanho do mundo...
Gostei muito!!!
Beijos do,
Calvino
Recife

disse...

Perfeito. Pra variar, um texto de mexer com nossos instintos. Quantas dessas será que existem entre nós e em nós? Fascinante, Samantha.

Lunna Montez'zinny disse...

Eu queria ser muitas e sou apenas uma... Eu queria ser apenas eu e sou tantas.
Passando para conhecer.

L. Rafael Nolli disse...

Samantha, caiu meu queixo. Esse monólogo, altamente poético, me acertou de cheio!

Iv disse...

Eu testei acordar ao lado de mulheres diferentes durante anos. Usei todos os tipos de drogas possíveis e exagerei em viver rápido.

Ainda bem que nunca cheirei flores.

beijo

Juliana G. Mello disse...

Essas meninas são poderosas mesmo!
E Sa, sempre desvendando os mistérios da alma feminina...
Parabéns mais uma vez, Sa!

Sucesso, meninas! ;)

KIMDAMAGNA disse...

Também queria ser poli(g)amado, em poligamia puteada.
Ainda a raiva de limpar
a casa?
Essa sim puta de vida.-
A atracção do dual não morre.
Dos padres já em Áfrika pretendendo acabar com a poligamia dos "gentios" tomando para si "as gentias".Outra puta de vida.
DE valor social pertinente, bofetada nas Madalenas arrependidas ´
é este seu texto.
Dedo de Kianda é assim.

Abraço

josé guilherme fidelis disse...

isso aí, garota. bacana, mesmo teu escrito.

gostei de ter encontrado esse espaço de vocês. parabéns!

beijos, continue escrevendo.

Salve Jorge disse...

Nessa prosa
Ser rosa
Ou ser flor
É ter senhor
Alguém que pode as folhas
As escolhas
Melhor mesmo ser puta
Encarar a luta
E escapar dessa labuta
Injusta
Que tanto custa
E alguém com poesia tão crua
é melhor estar nua
Pela rua
Que presa numa gaiola...

Gabriele Fidalgo disse...

Meu Deus!
Que Maravilha, Samantha!

'Sou uma pecadora consciente.'

[Assim é bem mehor! uhahua]


Super beijo

Jota disse...

E quem disse que flor tem que ser cheirosa?

Anônimo disse...

Adoro visitar seu blog, vc interpreta bem o conteúdo feminino, coisas que as outras enforcam dentro de si. Bobagem!.....sejam uma SAMANTHA.!!!!
Bjs......

BANDIDO708