sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Sonho em Cura, por Syssy Virtuale


Foto: Jennifer L. Maloney



Foi em uma noite chuvosa que adentrei naquele compartimento clínico. Era um daqueles salões com mais de mil divisórias, cada qual num paralelo particular; Uma imensa colméia dividida por cortinas. Estava em uma sala de cura. As minhas costas estavam paralisadas- pesavam lá as suas toneladas. Em uma cadeira de rodas, fui levada ao meu poliedro. Lá fui atendida prontamente pelo nobre espírito. Ele já me aguardava.
Analisou com cautela aquela pilha caótica de protocolos e fotos, e finalizou a consulta com um só olhar. Me disse que só me restaria um caminho; Se negasse a minha salvação, definharia até a morte.
Tive que aceitar a cirurgia.

Seriam implantadas em mim as minhas asas.
Elas eram imensas; Fiquei estupefata. As percebia em um encontro de encanto e desconforto, enxergando a sorte a ser assumida como pesada e desengonçada. Confusa, só pensava em como iria me locomover com aquele peso majestoso, de tão tola e pequena terrena.

Ainda não concebia a minha redenção.
.
.

13 comentários:

wwwyzzocom disse...

oi minha adorável amiga, como as palavras fluem de você, uma liga a outra. Adoro o que você escreve.

Consegui até imaginar cena toda.

Mil beijos e continue a deixar as minhas sextas mais lindas com o que você escreve

Com carinho

Isaac

SAMANTHA ABREU disse...

senti como se estivesse numa enfermaria de guerra.
Talvez seja isso: e enfermaria da guerra vida.
Eu tbém queria asas, Syssy. Elas me salvariam de muita coisa, embora fosse difícil no começo a adaptação.
Mas nem tudo é fácil no começo, né?!
;D

Adorei, Gatona.
Tuas palavras são surreais e lindas.
Um beijo!

Leo Lama disse...

Ser anjo é terrível.

Paulo D'Auria disse...

Implanta em mim! Implanta em mim!

Andreia Muza disse...

Pior é que anjo sempre "guarda" alguém...vixi...rs
Lindo!
bj

Vick Martz disse...

Nossa! Simplesmente adorei!

Sério... muito bom mesmo, parabéns!

Se puder, dá uma olhada no meu blog tbm.

www.proparoxitona.blogspot.com

Acho q não chego perto do que tu escreveu, mas mesmo assim. Muuito bom!

KIMDAMAGNA disse...

"Confusa, só pensava em como iria me locomover "

Ficaste mesmo confusa... a solução era voar, voar querida
Kituta...

não faz mal , vai haver + vezes

Abraço

Paulo Bono disse...

cinematográfico. mas se filmassem, ainda assim, eu preperiria o seu texto, Syssy.

abraço

disse...

Sublime...

Paulo Castro disse...

A gente está sim preparado pras asas, Syssy.
O que tememos é que os outros não estejam.
Por isso existem vôos secretos, noturnos, insubmissos. Sérgio Sant'anna tem um conto em que o personagem está em um vôo noturno, avião, em que todos os outros passageiros estão mortos.
Lindo.
Nesse caso, que nos finjamos de mortos ( espertamente) pra não morrermos.
E quando estivermos em um vôo com gente viva, sob o códice, a senha de entrada ( o sonho ? o lirismo ? a fábula...) que se voe o mais alto.
Beijos, voa voa passarinha de fogo nos olhos.
°

Lais Mouriê disse...

Para mim, seu melhor texto aqui no Falópio. Fiquei estarrecida!!!

Ba disse...

Vc tem mesmo um talento de poucos! Viva! E Voe!

Seu blog está virando um favorito.

Beijos em ti e na Tinka,

Ba

Jota disse...

Como em Vinícius de Moares:

"Subamos... subamos..."