sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Anjo e Assombração, por Syssy Virtuale


Como ser silêncio se só existo em grito contínuo?
Questiono-me se o deparar com as verdades adormecidas seriam de fato a minha cura.
O onírico do mitômano é sempre um ótimo sedativo. Como adicta confessa ao ilusório, recaio a este paralelo sempre que possível.
As dobraduras deste leque se multiplicam em tempos, espaços, ilusões e realidades.
Dando o passo que alcanço a cada dia, caminho nesta tênue linha rumo à minha verdade.
Um anjo me guarda.
.
.

3 comentários:

SAMANTHA ABREU disse...

uso essa pergunta ao meu espelho, gatusca:
"Como ser silêncio se só existo em grito contínuo?"
e ainda busco as respotas... espero que também as encontre nas dobraduras do meu leque, ou debaixo das asas do meu anjo.
Se bem que ando sem saber se é um anjo, de fato, que me aguarda.

Saudade grande de ler-te!
Um beijoo!

Adriano Caroso disse...

Já estava reclamando sua ausência. Voltou com força total. Muito bom!

KimdaMagna disse...

Daqui saudo a KITUTA no seu esplendor de espaços, ilusões e realidades,
inverdadeiras,
certeiras...

Xaxuaxo