sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

por Syssy Virtuale


Aquela pequenina flor,
percebendo que seu mal estava na raíz, defininha até sua irresistível morte.

São tantas as idênticas e cegas ilusões que brotam compulsivamente.

A entrega à sua verdade é certa.


10 comentários:

KimdaMagna disse...

Como fugir (ficando tranquilo) perante a [in] evitabilidade, da verdade?
Só mesmo vivendo por toda a parte, como a Kituta...

Xaxuaxo

Adriano Caroso disse...

Muito triste. Muito bonito também. Talvez eu não tenha entendido bem, mas bateu uma tristeza...

Andreia Muza disse...

Lindo.
a busca da essência sempre.
Bjo

Paulo D'Auria disse...

Nem por amor, o assassinato da flor! Faz uma raiz dessa ilusão.
Deixa a pequena daninha quietinha no seu jardim.

Beijos

SAMANTHA ABREU disse...

me entreguei das raízes às folhas.
e as ilusões era frutos, gatusca.

Alguns podres, outros não.
Mas ainda consigo comer os que ficam doces.

Um beijo!

Jota disse...

A entrega à sua verdade é o único caminho.

Acho que que vi essa fotinha na capa de um autor português careca e de óculos grandes que escreve saramagicamente...

Vincent disse...

As ilusões, um grande saco onde encontramos de tudo: crenças, religiões, etc. A fora do saco o mundo brilha.
Beijo à minha amiga dos neuronios rápidos :)

J disse...

como é que comenta isso Sissy, a gente não comenta, só suspira .

Beijos, diva.

Don Caco disse...

tesa certeza
flô di jardim.

Alê disse...

Versos lindos na mesma capa de escritos de Saramago.
Beijos =D