terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Dor a Óleo, por Samantha Abreu

foto: katarina sokolova
.
.....Toda dor é necessária, você disse.
.....E eu, aqui, fingindo que a vida é uma obra de arte. Fico parada, com a cara vidrada na parede, admirando, observando.
.....Preciso entendê-la, meu bem.
.....O passado me assusta e deixa tudo cada dia mais longe. Aquela que eu era está pendurada nessa tela de pintura a óleo, feita com traços tão incertos, tremidos. Sei, e você também, que sou muito mais os defeitos do que a perfeição da tinta corrida.
.....Enquanto sigo o declínio dessa linha ____
..............................................................____
......................................................................____ que não me leva mais a lugar algum, a não ser a um futuro tímido, fecho os olhos e consigo ainda tocar a sua pele, seus pêlos. Sinto seu cheiro.
.....Essa dor é inevitável, como todas as outras: do ódio, da solidão, do cansaço, da desilusão e, a maior de todas, do amor.
.....Não vou mais voltar para casa, baby! Prefiro, agora, ver nosso amor nessa moldura. Fiz da dor minha obra de arte e quero, finalmente, apenas contemplá-la.
.....Deixo, para você, o ardor do arrependimento. E de nada lhe adianta um belo banho, esta tinta não sai nunca mais.
.
.
.

21 comentários:

Gabi Romeiro disse...

A dor vale pra arte, pra produzir arte e entendê-la.
Alguém as criou como consolo, uma pra outra.
Beijos, gostei do blog :)

Lunna Montez'zinny disse...

Engraçado porque a dor feito arte é como o universo que parece infinito quando se ama e tão pequeno quando se sofre. Não é?

Pan disse...

Por aqui, a dor e a arte estão por toda parte...
Muito lindo!

Clayton disse...

A contemplação da dor - emoldurada

Bianca Feijó disse...

Este texto foi um tapa de película...

"(...)Fiz da dor minha obra de arte e quero, finalmente, apenas contemplá-la.(...)"

Vc é um festival de talento!

Beijos!

E.R.L. disse...

sabe ovo em pé? do tipo gostaria de ter feito. esse mas principalmente o da semana passada!

José Calvino disse...

Poetamiga, Samantha!
Que texto... que quadro lindo!
É uma obra de arte, emoldurar é
preciso e contemplá-lo, é claro.
Gostei,Parabéns!
Beijos,
Calvino
Recife

Anônimo disse...

O que a arte faz, Samantha?
Eterniza um momento.
Momento de dor, de amor, de ócio, de nada , de tudo.
Da tela, nada escapa. O reflexo é inevitável.
O lado bom: o artista refere o que lhe toca.
O lado ruim: não há disfarces.
A verdadeira arte é crua, é sentimento... contemplação nada passiva da vida.
Como muito bem escrevestes: “nada lhe adianta um belo banho, esta tinta não sai nunca mais.”
Gostei muito. Lindo texto.
Beijos
Anna

F. Reoli disse...

Você sabe transformar sentimento em histórias... e eu me deito aqui, fecho os olhos e "ouço" atentamente tuas letras... beijo

Marcelo Mendonça disse...

Muito bonito! forte. verdadeira obra de arte.

Paulo D'Auria disse...

"E eu, aqui, fingindo que a vida é uma obra de arte. Fico parada, com a cara vidrada na parede, admirando, observando."

Sá, me diz, de onde vem tanto talento?
Você planta no quintal? Faz uma colheita semanal?

Beijos, poeta!

Linda Graal disse...

queridarte!!
maravilha estar a ler-te em sempre em quando...

KimdaMagna disse...

Quem sabe se não estamos perante uma nova forma de expor A Pintura.
Numa galeria ( que só pode ser de arte)ficariam expostos quadros como esse que pintaste e outros que virão.
Seria um conceito de Exposição, explicativo e visual.
Em termos blioteconomista e arquivístico enquadra se no conceito que agora desponta: como preservar a informação.
...esta tinta não sai nunca mais...

Xaxuaxo na loucura

Caito disse...

Muito lindo! Me fez lembrar do texto de uma amiga que tá lá no sindicato, o link é esse qui ó: http://sindicatodosescritoresbaratos.blogspot.com/2007/11/teia-tela-ela.html

Não sei se essa porcaria de link vai fuincionar, mas fazer o que!

Aí samantha, já vou aproveitar para desejar um feliz ano 2008 pra você e pra toda a galera do Falópio, que seja um ano cehio de conquistas pessoais, literárias e toda essa breguice de sempre! Feliz ano novo!

Beijos, fui

Paulo Galvez disse...

"O ardor do arrependimento". E existe castigo pior?

Salve Jorge disse...

Dor
Dois
Dores
Dor és
Das mais vis
Pois mesmo quando não quis
Sois dor
Só és dó
Se dou
Se dói
E dói
Dor
Em mim
Sem fim
Que corrói
De tanto que dói
Afoga-me nesse óleo
Mergulha em tinturas
De amor, paixão, ardor
Todas desprovidas de cor
Restam apenas agruras
Umas poucas gravuras
E esse certo horror
Advindo do senhor
Dessas fissuras
Lapindas a dor
Louvor e olor
Nessa tela
Tão bela
Capela
Sem dor
Sem furor
Que vela
Velha
Vela
A dor...

Grazzi em ContRo disse...

Tatuadores sempre esquecem de avisar antes da prescrição que tatuagens nos orgãos internos não saem..

Beijos!

Carol Domingues disse...

Nossa, me emocionei lendo esse texto...

Bjos

Lais Mouriê disse...

Tão tudo esse teu texto que fiquei com vontade de soltar um palavrão: Putaquepariu, Sá!!!!!

Adriano Caroso disse...

A dor é a musa inspiradora mais presente nas obras de artes!

L. Rafael Nolli disse...

Samantha, creio que esse seja o teu tetxo mais poético. Gostei das indagações que permeiam o texto. A dor, o futuro, a arte e sua relação com a vida! O tipo de texto que se lê com muito prazer. Abraços para ti!