domingo, 9 de março de 2008

Ainda os quandos, por Juliana Hollanda

(olhares.com)
quando amar seja livre
porque o amor não suporta cordas
para sustentar asas.

quando o tanto que eu te amo
não for maior
que o meu coração

quando já sem forças
dermos juntos nosso último suspiro
e nos olharmos com a mesma vontade de antes

terá valido à pena.

terá: valido à pena?
valido à pena?



Momento propaganda: Como 2 comentários me perguntaram sobre o livro, informo que em 11 de Abril ele será Lançado aqui no Rio na Casa França Brasil, à partir das 19h. - Para quem quiser encomendar o livro é só mandar um e-mail para: jupyhollanda@gmail.com que eu passo os dados bancários e pego o endereço e mando o "Acordei num Iceberg" por correio.

7 comentários:

Grazielle disse...

quando deixar de ser quando terá valido a pena...

lindíssimo!

Salve Jorge disse...

Tudo vale a pena
Quando a alma não é pequena
Mas quando
Ah, quando
Daí ando..
E da asas tiro algumas penas
Pois sem sangue
Suor e lágrimas
Nenhuma vida é plena
Sejam quantos forem...

Cabraforte disse...

muito bom!!
sim terá valido, se for da entrega mutua e de razões nenhuma, a razão é o cotrario do amor e da paixão.

O Amor e o Amar não pode passar pela cabeça e nem pelo coração, tem que vir da alma de cada uma que o tece, o trança, o remete ao outro e a si mesmo!

bj parabéns!

Juliana disse...

Será?

[dúvidas multiplicam-se em reticências[]

Olha, Juliana...
Esse livro q vc cita na sua descrição já foi lançado?
Adoraria ler-te, mesmo.

Beijo

José Calvino disse...

Gostei, Ju!
Sob tal ângulo, vivemos em um mundo perguntando: Vale à pena? O que devemos fazer?, ter força de sentir-se eterno com a mesma vontade...Um poder mágico:
(a carne e o sangue). O que nós sonhamos?, é o sonho que faz a realidade na medida do possível. Poetas vivem assim...Parabéns!
Cadê, o livro já foi lançado?
Beijos do,
José Calvino

Paulo D'Auria disse...

No meio da tormenta da paixão raramente paramos para nos perguntarmos isso. Mesmo porque, normalmente, não queremos saber a resposta!

O importante é que, sendo poeta, mesmo que não valha à pena, sempre nos resta a pena e os belos poemas que ela produz!

Beijos

Dolfo disse...

belo poema, e anotarei esta data de lançamento de livro aqui na minha agenda.

bjos