domingo, 16 de março de 2008

Catarse, por Juliana Hollanda


(olhares.com)

Queria não amar você. Queria não amar você. Queria não estar apaixonada por você. Queria viver sem mais ninguém povoando meus sonhos, me inquietando. Queria...

Mas meus pensamentos voam como borboletas enlouquecidas, sem rumo por outros ares inflamados. O coração bate por você, mas o corpo pulsa na direção contrária, pois sei que é impossível darmos certo.

Contrariada fico a pensar em qualquer coisa e tento abstrair os sentimentos. Tenho resistido e não procuro mais por outros braços. Resisto e procuro apenas pelos seus, pois é difícil dormir e acordar sozinha.

Pretendo esquecer. Desejo, preciso, mas você me faz falta.

Você por não me amar completamente deixa brechas na minha memória, no meu corpo, nos meus pensamentos e tento substituir seus pensamentos. Saiba, faço o meu melhor. Me mostro da forma mais sincera para você, mas... não é suficiente. Talvez não valha a pena o esforço, mas não desisto de tentar.

Talvez seja tão falha essa nossa história que é bom nem pensar. Não faremos planos e entreguemos ao vento o direito de escolher. Você me faz bem, me deixa calma...você é tudo o que achei que não iria conseguir. Você é. Fico taquicárdica, turbulenta, apreensiva, raivosa, triste.

Também fico arrepiada quando te vejo em minha frente. É tudo fervente e... tirando as horas em que com força você pega em meus braços e me morde, é tudo morno. Morno.

Morno..., mas gosto de amanhecer ao seu lado. De dormir abraçada contigo mesmo que não façamos nada. Você acorda e me aguça as vontades, os desejos, mas... eu tenho medo de te agarrar e levar um fora. Gosto de quando me pegam no susto e ele... era assim.

Ele seria bem capaz de continuar fazendo isso, mas é furada para mim alimentar sonhos de uma relação duradoura com alguém que mente. Você é sincero demais comigo para ser enganado e não quero magoar-te de nenhuma forma.

Todos que me cercam, que gostam de mim, sempre me desencorajaram da outra relação. Todos te adoram e vêem o bem que você me faz, mas não podemos mandar nos nossos sentimentos, não é?

Queria conseguir me entregar. Queria que você se entregasse. Queria ao menos tentar. E estou tentando e sei que você também está. Será que vamos dar certo?-

...isso só as borboletas quando encontrarem a direção certa do vento vão nos responder.


4 comentários:

disse...

Uau!!!!

SAMANTHA ABREU disse...

nossa, Jú.
Ainda não tinha te lido assim, em prosa.
Parabéns!

Um beijO!

Grazielle disse...

Ai, Juh! Que as borboletas te guie para o caminho mais bonito...

Belíssimo!

José Calvino disse...

Está tudo certinho, Ju!
Somente em te ler, já é uma vitória à beleza, à permanência alcançada. Podes levantar as mãos para o céu,como(olhares.com)rsrsrs Parabéns, poetamiga!
Beijos do,
José Calvino
Recife