domingo, 27 de abril de 2008

Sinto, por Juliana Hollanda

(olhares.com)

a guitarra toca acordes irreais na minha vida de música de led zeppelin desafinada
quero ser bossa nova nos teus ouvidos de eletrosamba nervoso
cantar ópera,
lacrimejar bochechas,
escorrer vontades lágrimas
borrar meus olhos
encantar serpentes vivas
alimentar mortes cegas de não ver você
aparecer na madrugada alimentícia
reverter pensamentos sobre mim
enriquecer cérebros famintos
cortar pés descalços
quebrar unhas sem esmalte
enlouquecer destinos
desfazer novelos de lã idéias
carretel de linhas para tecer palavras em frases
desnudar a alma
tirar o sutien
rasgar minha calcinha para você me invadir com tesão e violência
possuir-me na sanidade da alma
transportar-se para uma dimensão mútua
misturar pensamentos
fumaças vãs

transformar sacanagem em desejo puro de ter você.

os desencontros vão editando destinos
destinos não devem ser acaso
e no ocaso da falta de sol
o sol se põe longínquo do teu olhar
olhar longínquo sem foco esquecido do meu
no prazer misto de vontades puras
vontades puras de exalar perfumes de gaveta em poros pulsantes
poros pulsantes que conversam invisíveis
vontades escondidas no sobretudo do amor inexistente com medidas
comedido sem tamanho régua
nas regras que você inventou pra gente viver
nesses dias de telefone celular os números discado não são reais
não "send" no teu cel de sangue azul.

acordes desafinados no ritmo dançante
seu gênio forte discute atitudes minhas
seu controle aguça minha obrigação de desobedecer suas ordens
desobedecer sua voz carente de paixão desencontrada
e amanhece o dia de amanhã
hoje você não veio a minha procura.

sinto saudade de você
sinto vontade de te ver
sinto, mas vou enlouquecer
sinto você
sinto...
muito!

4 comentários:

KARLA JACOBINA disse...

Jupy,

Deu vontade de ouvir você falar, falar, espontanear e falar mais um pouco esse poema. Ele cheou a mim muito fluído, muito sincero, muito solto e eu adoro isso.

Beijo.
Karla Jacobina

Paulo D'Auria disse...

"seu controle aguça minha obrigação de desobedecer suas ordens / desobedecer sua voz carente de paixão desencontrada"

Belo poema!
Parabéns!

Beijos

Dolfo disse...

Poema bom pra ser dito realmente!

José Calvino disse...

Você é parada, Ju!
Seu texto é muito bom, com muita sinceridade... Gosto sempre de te ler, poetamiga.
Parabéns!
Bom feriaaaaadão...
Beijão do,
Calvino