quinta-feira, 15 de maio de 2008

Para erros e tudo o mais, por Lais Mouriê

.
Para os erros que cometi: remédio.
Um concentrado amargo
numa única pílula, para ressaltar a solidão.
Muito uísque garganta abaixo
para diluir o comprimido petrificado
que nao me deixa olvidar
a falta de perdão.
A gastrite urra, tal como gato
que arranha os portões de ferro de sua casa.

E para os erros que não cometi: veneno.
Aquele gosto doce
que senti ao beijar sua mão.
.
.

2 comentários:

F. Reoli disse...

Já senti esse veneno ao beijar uma certa "testa"... mas sobreviví...
Beijos

Salve Jorge disse...

Para os erros
Degredo
Engano ledo
Pois errar que é solução

Para os acertos
Isso é fácil
Um sorriso
De satisfatória ilusão

Melhor errar errante
Melhor errar amante
E ter pra beijar
Uma mão...