sábado, 17 de maio de 2008

.
a voz de meu pai viaja
a voz de meu pai me chama

a voz de meu pai reclama
a voz de meu pai fraqueja

a voz de meu pai pergunta
a voz de meu pai enseja

a voz de meu pai diz:
"tá, minha filha, um beijo"

para a voz de meu pai
a caixa de ressonância é meu peito

Martha Galrão

2 comentários:

Germano V. Xavier disse...

Martha e Muadiê,

lindo poema, lindo poema.
eu que vi meus pais como explosão neste último fim de semana, agradeço pela oportunidade de ler o texto de vocês.

Abraços sempre.

Germano
Aparece...

Paulo D'Auria disse...

Lindo, lindo, lindo... Formalmente perfeito, e tocante!

Beijos