segunda-feira, 7 de julho de 2008

BETHÂNIA E AS VAREJEIRAS, por Karla Jacobina


Aos seis ouvia Bethânia, no quintal da casa Vanusa. Os queixos das colegas despencavam quando liam “runas” em “hobby” no caderno de perguntas.

Da pele pra fora eu era um corpo estranho, com a cara da avó e o resto da mãe. Da pele pra dentro me sentia em casa, com as pernas muito bem acomodadas sobre o que consideravam anormalidades.

Logo quando tranquei as bonecas na infância, me perguntaram se eu queria ser mãe. Para que existisse mãe teria de existir um filho, para existir um filho teria de existir um pai e para existir um pai teria de existir beijos de novela.

Não! Beijos de novela não! A vovó dizia que beijo de novela fazia mal e dava chifre.

Vovó era viúva de um casamento falido e azeda de pai e de mãe. Eu já havia reparado que nas mulheres, o azedume tende a ser hereditário.

Cresci bebericando discursos ácidos de Marias-mal-amadas. Acreditava que o destino de todas as mulheres era choro e chifre de novela. Nessa época, nasciam em mim os seios e nas mãos punhais de Medéia.

Aos quinze ouvia Cássia Eller, no muro beijo de novela. Não caí de queixo. Com o tempo perdi a vergonha e a habilidade de fazer panca de moça direita. Fui caindo logo de quatro, sem escrúpulos nem calcinha. E adivinha? Nove semanas e meia de doses cowboys de Maria Bethânia e dores de cotovelo.

Aos vinte desliguei o som e fui cantar na noite. Expurgar todo o azedume que era meu de fato, mas não de direito. Cantei Vanusa para limões na platéia. Aplaudiram-me os limões com varejeiras à espreita enquanto os beija-flores não abriram mão das margaridas.
.
.
Pintura: Medéia por Eugene Delacroix

5 comentários:

Elpidio disse...

bonito, gostei de todas as muitas figuras.
PAZ

Gabriel Ilário Lopes disse...

Gostei muito. Aliás, tô gostando muito de ler o blog de vocês. Parabéns!

Gabriel Ilário Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jorgeana braga disse...

imagens...gosto e acompanho teus textos!


jorgeanabraga.zip.net

Felipe Rangel Prado disse...

Legal isso hein