quinta-feira, 24 de julho de 2008

Em sua mão, por Lais Mouriê


Vivo a falta de inspiração que me assombra

pelos dias e noites ausentes do seu fracasso.

Nada dentro que me faça sujar o papel.

Tudo fora do lugar onde passeia a criatividade.


Esqueci o dinheiro no lixo

a roupa no tanque

o escuro no peito

a mente no vazio.


Em vão tento roubar letras e versos

em livros cravados de lágrimas por você.

Nada mais se parece comigo

agora.


A criatividade apagou-se,

como meu beijo em sua mão.

3 comentários:

Yara disse...

sujaste bem o papel
(verdadeira mão que beijas)

Thiago Quintella disse...

Achou a criatividade antes ou depois do beijo? Não sei se ela estava sumida. A mente no vazio se renova!
Excelente gravura, vejo como dever de Deus receber o beijo da mulher.

Anônimo disse...

Escreveste de cor cinza. Com sintomas de correria e solidão.
Se te conforta, o sol que pouco brilha, quando brilha arde.
Use o tempo e a sabedoria a seu favor, dê umas férias à sua genialidade para não dividir com ela o peso que carrega.

Silvva