quinta-feira, 3 de julho de 2008

Para te corromper, por Lais Mouriê

Falava palavras com cheiro de inocência. Apesar de seus vinte e poucos anos, seu rosto também denunciava qualquer coisa da infância que pairava sobre seus olhos doces, quase verdes, quase cinzas de uma saudade qualquer. E quando suas pupilas repousavam sobre mim, algo de pecado emergia. Descobri, pouco a pouco, que eu deveria fugir, para que não maculasse esse encanto quase virginal de sua carne. Mas não pude.
Falava como se minhas palavras fossem corromper seus ouvidos. Meus olhos já não possuíam o verde-acobreado costumaz. Era sangue puro, vermelho incandescente prestes a te fazer pecar. De nada adiantava você fechar os sinais de trânsito. Pouco me importava seu sono e o frio da madrugada. Queria toda a sua inocência para mim.
Calei-me, quando amanheceu. E quando te olhei de novo, senti que você havia crescido. E tive medo.
.

2 comentários:

Gabriele Fidalgo disse...

Uau!!
Esse é um dos melhores textos seus que eu já li, Lais.

Parabéns!!

DIZDIZENDO disse...

Lindo de doer - literalmente...