sábado, 27 de setembro de 2008

Irisz Agocs














Deixei a menina chorando no coreto da praça.
Larguei lá - a menina chorando no quintal
passarinho morto na mão.

A menina parada
com seu vestido cada vez mais curto,
estatelada.

Tanto gritou que escutei
e fui buscá-la.

Martha Galrão

5 comentários:

MARIAESCREVINHADORA disse...

Um dia ouvimos os gritos da menina dentro de nós e a trazemos à tona.
Adorei Martha.

Beijos,

Conceição

KimdaMagna disse...

Vir aqui, é assim como chegar a um Oásis. A sede de simplicidade é tanta que este Oásis tão pequenino que é mas tem a fonte donde jorra a água que mitiga a sede.
A persistência da menina ( em gritar) é admirável.

xaxuaxo

Casulo Temporário disse...

oi Martha, que bom que você foi buscá-la. Bom pra vocês e pra nós, que amamos sua poesia.

Conde Vlad Drakuléa disse...

Bravo, belíssimo texto!

Paulo D'Auria disse...

Ah, abandona mais ela, não!

Beijos!