sábado, 6 de setembro de 2008

Ruth Orkin












Era uma vez duas torres.
Era uma vez um príncipe que morava no alto
de uma das torres. Na outra, uma princesa
deixava crescer os cabelos
para o caso dele precisar de tranças.

Martha Galrão

4 comentários:

Raiça Bomfim disse...

Como de costume, seus poemas guardam outros mil versos silenciosos. E as poucas palavras lidas ressoam em um mundaréu de imagens.

Bonito, bonito.

Conceição Pazzola disse...

É isso mesmo que a Raiça diz.
Cada poema guarda mil outros nas entrelinhas.
Lindo, Marthinha.

Conceição

Salve Jorge disse...

Mas se ela cansa
Sai da torre
Vai pra França
Toma um porre
E ali lhe socorre
Alguém que dança
QUe o peito balança
E com ela morre
Pela vida mesmo...

José Calvino disse...

Essa princesa é "parada", hein?
Deixa o príncipe maravilhado!
Linda, linda.
Beijos do,
José Calvino
Recife