segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Não sou fácil, por Karla Jacobina

Não sou fácil, só sei o que quero. Já dei na primeira vez, já fiz vez para dar a primeira, jogo mole, jogo fácil, porque cu e batata doce tiram totalmente meu apetite. Ser senhora de mim é um orgasmo que me acompanha. Nego dar ao homem o luxo do "cê que sabe", tampouco chupo pau e dedo na mesma noite. Poderia ser mais polida, usando o jogo dos antônimos: Não sou difícil, só sei o que eu não quero. Mas como dizer assim? Se se tratando de cerejas, sempre soube qual delas roubar do bolo. Eu sei o que quero e que me chamem de fácil e que me façam Geni. Solto o tabu que trançava meus cabelos no primeiro brechó que vir. Gozo a vida e não finjo. A única farsa que faço é ser fácil, para o homem se sentir grande entre minhas pernas.


<><><>


Aproveito para convidá-los para a Festa Cigana, onde irei tirar um pouco da poeira dos ombros.
Pra quem for, eu pago o ponche.


Eu não sei dançar, porque passos de dança não calçam 37.

9 comentários:

jupyhollanda disse...

hahá! perfeito!!!

bjos

Gabriele disse...

Adooro o que você escreve, Karla!
Muito bom!!

beijos.

Paulo D'Auria disse...

"Ser senhora de mim é um orgasmo que me acompanha"

Senhora das palavras!

Beijos!

José Calvino disse...

Você sabe o que quer, Karla!
Gostei!
Beijos do,
Calvino
Recife

Grazielle disse...

Decidida

I wish I was just like that!

Pedro Casanova disse...

Palavras fortes...gostei

Te conheci menina, e agora você está uma mulher.

Se cuida

Beijo

Aline Aimée disse...

Texto forte e preciso. Gostei.

fc disse...

Fez-me sentir grande... nu desejo por tuas imagens.!.

Versos Insensatos disse...

Que sensualidade, que maravilha, perfeito aos olhos dos "que não se escondem atrás do eufemismo" e imperfeito para os "chatos que se afundam no eufemismo" .......... Agora quero a carteirinha, que virei realmente tiéte...hehehehhehe

Thiago D.