domingo, 26 de outubro de 2008

Tule, por Juliana Hollanda

(olhares.com)
há um momento no meio da tarde em que o buraco se instala
numa certa parede colorida dentro da alma
e não é possível esconder documentos em gavetas
e nem procurar as canetas perdidas embaixo dos sofás

aquele momento em que o buraco se instala
faz com que tudo ao redor pare
e tudo que anda girando na sua cabeça continue a girar

é mais ou menos como a taquicardia que você ganhou por tomar remédios para emagrecer
ela aparece quando menos se espera
numa certa porta aberta dentro do coração

é difícil entrar e subir as escadas
ao mesmo tempo você lembra que deixou a chave do portão no trinco
vê que a piscina está suja e está tudo uma bagunça e você se desespera e não quer mais que a noite chegue
e nem que dias passem
peneirando a alma

perfurada

por buracos abertos
no meio da tarde

4 comentários:

Conde Vlad Drakuléa disse...

Excelente texto, genial!!! gostei muito da photo também! Muito melancólico, adorei!!!

Gabriele Fidalgo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriele Fidalgo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cláudia I. Vetter disse...

belíssimo texto, na verdade absoluta!

;**