terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Insônia, por Samantha Abreu

Não é sonho. É insônia.
Estou imersa em uma banheira
e, daqui,
vejo tuas imagens
deformadas.

Tuas ondulações,
teus gestos lentos.
Quando notas que sufoco,
ameaças
um puxar de mãos.

Se me agito,
enrosco em meus cabelos.
Sinto os dedos enrugarem,
meu corpo, minha alma,
envelhecidos.

Não consigo mais desafogar.
Atolei no lodo, no fundo,
e a água tão suja me impede
de beber
as próprias lágrimas.

2 comentários:

jupyhollanda disse...

melancólico, porém lindo! a trsiteza e o sofrimento podem ser belos muitas vezes...

Bjo
SÁ!!!

Juju

J.R. Lima disse...

muito legal! vc cria um clima e o desfecho é forte. muito bom mesmo!!

ótimo isto!!