sábado, 14 de fevereiro de 2009

por Martha Galrão


Voltei
como devia
Eu e Tudo que trago comigo

Vivi dia por dia
degustando
vento e comida

Mirei a sobrevivência
com calor me molhei
com frio me cobri

Cuidei de tudo
quase feliz
pra voltar como podia
Eu e Tudo que trago comigo.

6 comentários:

José Calvino disse...

"Eu e Tudo que trago comigo", a meu ver, apresenta uma expressão poética e existencial. Os versos são, a propósito, curtos e harmoniosos.
Parabéns, Marthinha.
Beijos do,
Calvino
Recife

Tania França disse...

Querida, amada poeta dos abismos... Você... e tudo que traz consigo! Quanto amor, quanta sensibilidade. Sobreviver, eis a questão. E meu amor, vai todinho pra você, amor de mãe, de amiga, de peito, de índio - XUCURU!

Cosmunicando disse...

lindo =)

mccpazzola@gmail.com disse...

Que bom vc ter voltado com tudo o que traz consigo, Marthinha!
Beijos,

Salve Jorge disse...

Pra esse tudo
Sabor de absurdo
Olhar espectante e mudo
Como de uma alvorada...

Clóvis Campêlo disse...

Tudo arde, tudo é fardo, tudo é charme, tudo é tarde, tudo é dardo, tudo é alarme. Onde cabe em nós o NADA?