segunda-feira, 4 de maio de 2009

Meu poema de amor, por Karla Jacobina


Beijo é brinde
meu amor machuca
não porque é meu
mas porque é pai
que cinta e educa

meu amor cicuta
me menstrua
e me arapuca
crina de navalha
ventre de cumbuca

meu amor cutuca
peito de vidro
com vara curta
meu amor amputa
perna de saci
e abraço de cuca

meu amor prostituta
sem nome na faixa
panetone na caixa
aliança na puta

meu amor machuca
não porque dói
porque não assopra
não sara nem luta

porque dó quem
dá é viola
meu amor batuca
maracatuca

dá o que flor
meu amor gruta
doa em quem doer
doa pra quem doar

porque amor
não é garupa

Um comentário:

José Calvino disse...

Este poema (in loco)deve ser lido e analisado na íntegra.
Karla sensivelmente, procura acompanhar o feito do mundo em que habita: "meu amor cutuca/peito de vidro/com vara curta/meu amor amputa/perna de saci/e abraço de cuca..."
Parabéns, poetamiga!
Beijos do,
José Calvino