terça-feira, 5 de maio de 2009

No Espaço do Não-Limite, por Samantha Abreu

foto de joe gantz
.
Ele me chamou para o jogo e eu não tinha a rainha. Ligou o som e se virou cantarolando pra mim: ‘Give me one reason to stay here and I'll turn right back around’. Mal sabia que eu já estava outorgada e não via outro motivo, além disso já ser um motivo, para convencê-lo a ficar. Eu nada tinha a oferecer a não ser umas curvas arredondadas e escorregadias acompanhadas de algumas frases feitas. Apenas uma garota clichê com sorrisos prontos e músicas pop. Tudo que eu precisava naquele momento era que ele me desse uma experiência através dos riscos nas paredes e explosões não terroristas. Sem nomes, meu amor, detesto nomes, disse o Marlon Brando. Era dele o tabuleiro, mas não me negava a brincadeira e me cantava com ‘because I don’t want to leave you lonely’.
Era esse o ponto.
Quando levantei, ele já me tinha pelas mãos na cintura. O embalo era tão sísmico que me abalou em tremores não mensuráveis. De olhos fechados, eu não respondia mais por movimentos, atos ou roupas no chão. Sentia o balanço e o preenchimento de todo meu leave me lonely. A cabeça pendendo sobre nós no centro-limite em que um corpo ainda não era outro, embora já fôssemos apenas um no universo, não no coletivo e infinito, que também é mundo, mas naquele nosso, bem mais mundo que todos aos quais poderíamos pertencer.
Perdemos o tempo do tempo. Enrolamos-nos no chão até que nosso mapa mundi fosse do meu ao dele em apenas um oceano de suor e vulcões-poros em plena erupção.
Estava ali, no tapete, he’s reason to stay. Você consegue ver - ele disse - que onde me começo te termino e que não há mais espaço para ser você mesma em você? Não me saiu um sussurro sequer. Dizem que esse é o silêncio-sinal.
Foi ali, bem ali, que percebi.
.
.
*****
e pra quem estiver em Londrina nessa sexta:
.

2 comentários:

BAR DO BARDO disse...

seu flash abarca o universo...

parabéns, samantha!

Cosmunicando disse...

bom! muito bom!