segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Recomeço(s), por Juliana Hollanda


de cabeça para baixo. é assim que me sinto. não sei onde colocar as mãos e desaprendi a fechar as pernas ao sentar. às vezes eu acho que nem sei mais falar, nem escrever, nem sorrir.

... está tudo tão calmo e perfeito. sinto-me sob efeito de uma anestesia que não passa. quero reagir e voltar a fazer coisas e agitar a vida, mas não consigo. está tudo tão bem... tão bom... tão perfeito que só quero trabalhar, namorar, chegar em casa e dormir. não quero pensar. em nada que possa mesmo que em devaneio alterar a ordem vigente dos acontecimentos.

... tenho meu trabalho que eu amo, a poesia que eu amo, os amigos que eu amo, o namorado que... já me fez escalar montanhas várias vezes, chorar várias vezes, pensar no fim do mundo; várias vezes, mas agora está tudo tão calmo, tão plácido, tão colorido que parece que o mar é doce como a água de um rio cristalino e cheio de peixes, e eu só penso em me mudar para um lugar longinquo, com ele ao meu lado, e em como a vida vai ser dali por diante quando tivermos a chance de apagar o passado para que possamos recomeçar e assumir nossos altos e baixos, que são fonte inspiradora de versos e abraços e passeios de mãos dadas, jantares à luz do luar e sexo de porta aberta. bocas que sorriem espontaneamente e cheiros que embriagam e grudam no nariz. nosso cheiro. o cheiro de um nós; nó. vidas entrelaçadas e amarradas com cetim vermelho. cores...

ah! cores...

... são muito importante para enfeitar a vida - assim como um belo vestido ou a roupa mais simples e confortável que existe no armário.

... outro dia encontrei lá em casa um bilhete do meu pai escrito quando eu tinha uns 7, 8 anos e ele dizia: -Minha filha, desejo que você tenha uma vida simples, pois você vai ver que no mais simples é que se é feliz. - e sim, papai estava certo, já vivi muita falta de simplicidade, luxo, mas sabe que essa busca para mim é tão supérflua e eu sempre prestei atenção mesmo nas coisas simples como o voo de um pássaro, o pôr-do-sol, as ondas do mar...
tanta coisa... aiai.

... disse para vocês que estava confusa, mas na verdade estou é FELIZ!!!! - Radiante mesmo por estar na segunda fase deste blog que tanto me trouxe carinho, reconhecimento, novas amizades e ah tanta coisa que nem tem nome esse frio na barriga da (re) estréia. espero que gostem de mim como eu já de antemão digo; gosto de vocês queridos novos e antigos leitores.
Fiquem com este trechinho do Bob Marley, pois ele sabia falar de amor como ninguém e como já falaram os Beatles... ALL WE NEED IS LOVE - hoje, amanhã e sempre!

"You may not be her first, her last, or her only. She loved before she may love again. But if she loves you now, what else matters? She’s not perfect - you aren’t either, and the two of you may never be perfect together but if she can make you laugh, cause you to think twice, and admit to being human and making mistakes, hold onto her and give her the most you can. She may not be thinking about you every second of the day, but she will give you a part of her that she knows you can break - her heart. So don’t hurt her, don’t change her, don’t analyze and don’t expect more than she can give. Smile when she makes you happy, let her know when she makes you mad, and miss her when she’s not there."


Bob Marley

3 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

é 7 de setembro, e ela batendo palminha.

Patrícia Lage disse...

Ah, essa felicidade me é tão comum... Fico de braços abertos a todos os dias da semana!

Meus beijos.

Sunflower disse...

A Ju é assim, sem ter nem pra quê, poesia bem no meio do dia. Mas o pior mesmo, é que ela fica linda de sombra verde-limao.

beijas

PS: Num tava pensando nessa música do Bob há um tempão?