quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Claridade Amassada, por Lais Mouriê


Será no meu corpo que aprenderá a se livrar dos fios que te amarram, delicadamente, a passados e futuros improváveis.

Será assim, seguramente inseguro, que deslizará pelo meu suor e pela tua roupa branca, pelo meu desejo e pelo teu não, e encontrará o que nunca encontraremos novamente.

Será, e será, até que o sabor em minha língua se desfaça em sua pele, até que minha espera pelo seu desespero por mim se transforme em vida, até que as horas não acompanhem nossos ponteiros.

Será em meu vestido vermelho o botão arrancado. Será em minha pele perfumada o gosto acre da volúpia. Será em meu sono inquietante minha cama desarrumada. Será o pecado. Será a proibição mais deliciosamente permitida.

Você será.

E eu sou.

2 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

a estréia é tecnicamente de baixa qualidade, mas de um valor sentimental tombado pelo patrimônio histórico.

Gabriele Fidalgo disse...

O botão arrancado com urgência e vontade.
Deu para sentir isso no texto, Lá!

beijos :)