quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Eu acordei de braços com o papel , por Clara Arôxa

Minha impressão é que tenho amado sempre

Não adianta, sempre ajo com essa lava de vulcão que corre pelas veias, preciso te falar sobre ontem, preciso transpor e deixar transbordar toda essa imensidão de poesia que guardo por aqui. Engraçado, quantas vezes eu fiz exatamente a mesma coisa que você? Quantas vezes fotografei os outros com uma câmera invisível cujo filme fica armazenado nas minhas declarações insensatas de amor?

Cada vez que você me olhava, sentia que estava eternizando algum sorriso meu, algum gesto, algum detalhe. Você, com uma máquina invisível e extremamente bem focada, invadiu a minha alma, capturou todos os meus segredos, em silêncio, com um tom desafiador. Olhavas o tempo suficiente para fazer uma boa foto. O que me deu curiosidade foi à forma que você os guardou, a delicadeza extrema que ia arrancando um a um e os colocando dentro dos olhos. Em segundos, me vi refletida em ti.

Ela não tinha sapatilhas e nem sabia ficar na ponta dos pés por tantos segundos. Equilíbrio, muito menos. Mas a pele arrepiava-se ao escutar a música, aquela valsa entupida de poesia, de cores, capaz de despertar, de fotografar. Como pincel, meus pés inventavam passos suaves e dessincronizados. Você ia fotografando e eu dançando, jogando palavras pelas paredes, infinitos pelo mundo, enquanto os minutos eram musicados, enquanto as linhas não acabavam, enquanto o filme ainda rodava. A cada passo, uma palavra: “Era um fevereiro, e eu ainda melada pelo infinito dos meus olhos castanhos”. Tudo tão, tão azul.

Você é meu passo favorito.

2 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

"e eu ainda melada"

Pricasso é um holandês que veio à capital paulista mostrar sua arte de pintar com o pinto: ele dá pintadas mesmo.

pinta com o membro duro, ou seja, Pricasso pinta com seu picaço.

e o cara pinta bem. pintou o rosto de Marcelo Tas de forma acadêmica, feio do jeito que Tas é em carne e osso, e óculos e calva. a careca ele fez com a bunda, davvero, agarântiu: meninos, eu vi!

então, aproveita que vc tem o "coração no clitóris" e é um ser melado, e pede pra ser o potinho de removedor dele.

além de fazer arte, vc trabalhará fazendo o que gosta, com prazer.

não é o que todo o mundo quer hoje em dia?


=D
marcos

Valéria disse...

Gostei, poesia diferente das que a gente tá acostumada a ver por aí.
Passarei sempre por aqui...abraços!