quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Bailarina, por Clara Arôxa


[Tenho saudades de te escrever. Lembro que te direcionar poesias sempre foi um hábito conquistado com abraços perfeitos para fotografias eternas. Sempre foi poético porque você foi uma das pessoas que me despertou para esse abismo deliciosamente necessário que é a poesia, as tuas letrinhas tortas saiam ocupando qualquer pedaço de papel ligeiramente branco. Sempre foi poesia. Até quando não devia, era. ]


Bailarina,

Eu poderia descrever direitinho a alegria que é te ver em um dia enluarado: você, a doida das lantejoulas, transbordando em sorriso e eu, a doida dos quatro quantos, abrindo todos os abraços do infinito para reunirmos todas as delicias de ser. Sabe, eu poderia, inclusive, tornar público teu frevar, a delicadeza das tuas passadas fortes, de sombrinha reta e ritmo nas veias. É tão bonito, bailarina. É tão bonito ser plateia quando colocas tua alma para girar, girar, girar até que ela cresça dez centímetros pr´a aguentar o tanto de poesia que foi construída durante a dança. Eu até falaria daquele dia que tu me emprestasse o par de asas quando as minhas estavam naquele estado em que nem sobe e nem desce – foi lindo, coisa de quem ama. Aí também eu falaria no dia em que retirei as asas e pus em cima da tua sapatilha, com o recado: moça bonita, apare as mãos para não se entregar. Acho que deveria te falar, refalar, rerefalar o quanto te quero bem, mas talvez o discurso soasse um pouco repetitivo e coisa de coração a gente diz em abraço, em mão na mão. As palavras, as tais das palavras, que nos mostram ninhos, seriam apenas roupagem de uma essência que nua, por si só, já brilha. Isso, bailarina, deixa eu te falar do teu brilho, dos teus cachos, da beleza que é tão, ah, já repeti isso, em voz alta até. E os segredos dos teus cachos não cabem em simples linhas minhas, muito menos em rodopios teus, vão se enrolando com a vida e vida, a gente sabe, é coisa que brota. E tem pr ´a falar da sede, da chuva, dos carnavais, dos risos e da quantidade de lágrimas, no entanto, isso daria páginas e páginas de um texto cheiroso de lembrança.

Vou ficar aqui, bailarina, poetizando o nosso próximo abraço.

Vai, bailarina, dança! Brilha! Rodopia!


2 comentários:

Fernanda disse...

a sua cara...
parece q te vejo aki pertinho, rodopiando...
te amo!

Carla disse...

é tanto amor....