sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Queridas Pessoas que Como Eu Caíram no Conto dos Concursos Públicos, por Janaina Lisboa

.
Vocês já ficaram tão duras que pensaram em tomar um porre e pagar com passe de ônibus?

Passaram tanto tempo com a cara enfiada nos livros, que, ao chegar da noite, olharam para o céu, suspiraram por três segundos “que lua bonita”, volaram a estudar, e no outro dia, leram no jornal que a beleza da lua não era por que vocês estavam vendo letras por longas horas, era, na verdade, um eclipse?

Já ficaram obcecados com suicídio? Não o de vocês, é claro. Mas, com da porra do secretário do seu chefe? Ok, tecnicamente, isso é chamado de homicídio, mas isso é detalhe.

Aluguei uns filmes, em busca de uma espécie de clausura preventiva, uma finaldesemantena, pois quando estou entediada, compenetrada e de TPM, oh, querida Internet, não é um espetáculo bonito. Eu podeira suicidar um monte de gente.

Quando cheguei à locadora, acredito que exalei algum ferormônio que dizia que eu precisava de amor no meu coração, pois, não um, mas DOIS atendentes começaram a se comportar come se estivessem sob o feitiço cordial da bunda de algum ursinho carinhoso, colocando em minhas mãos pilhas de filmes com Diane Keaton, Mandy Moore, Katherine Heigl e Jessica Alba.

Devo ter feito algum gesto facial, que expressou o meu desejo instantâneo de voltar para casa, deitar no meu quarto, no escuro e escutar Yo La Tengo até que a mão fria de um ceifador viesse me confortar, pois eles soaram como se tivessem cometido um equívoco e me perguntaram se eu não gostava de comédia romântica.

Internet, eu não gosto de comédia romântica, mas, puta que pariu, eu odeio apaixonadamente a Diane Keaton desde O Poderoso Chefão. Ela é a Regina Duarte americana. Sério, Internet, eu preferiria ter um final de semana com todas as despesas pagas no Hotel Ruanda, a ver um filme com ela e a Mandy Moore juntas. Se eu tivesse uma arma, elas estariam mortas de suicídio agora.

Agradeci e trouxe para casa: Reis da Rua (filme que Keanu Reeves mata de suicídio bandidos e policiais corruptos), O Gangster (com o Denzel sendo o cobrador de um figurão – e ele pode vir me dar uns tapinhas e me cobrar quando ele quiser), e , Sangue Negro. Internet, aquele tal de Daniel Day-Lewis não tem coração, é tão ruim, que eu subtamente me senti melhor comigo mesma. Ai, como eu queria ter visto a Daniel suicidar Diane.

Amor coisa e tal,

Jana

3 comentários:

Fabrício Romano disse...

Tava com saudades dos teus textos.

Marcos Satoru Kawanami disse...

Jana,

até hoje eu só fui servidor público concursado, e com carta de recomendação...

ah, estive em casa de minha sogra à ville de Monções na semana passada, de modo que não existi para o mundo civilizado por alguns dias; daí minha ausência nos comentários.

Ale Bartelle disse...

Ultimamente tem tanta gente que dá vontade de matar de suicídio!!!

Tu me fazes rir pra caramba.

Beijos.