segunda-feira, 2 de novembro de 2009

sobre crime e castigo (V), por Juliana Hollanda



o barulho de um coração se quebrando
-não é poético -

é oco
é trágico

-não é musical-

ele chama, pede, clama para que se sigam rituais
- a negação, o choque, a raiva, o desapontamento -
culminando em desespero.

assim como uma estrela branca
que encolhe lentamente

é um desmoronar
por dentro

derreter memórias
-lembranças-
em cada respiração
um sopro!

tal qual a morte sem a parte de dormir

2 comentários:

Patrícia Lage disse...

Pultz.
Fantástico!

Vou ter q esperar um tempo pra poder dizer algo substancial.

=)
Meu beijo, querida.

Marcos Satoru Kawanami disse...

é poético