domingo, 13 de dezembro de 2009

Entre Elas: Gus No Sant

A vida na sala de espera
.
Qual a grande bobagem
que aguarda a pessoa nessa passagem?
Uma vida que se esmera
em ficar parado, em espera
Aguardando na ante-sala
pelo chamado que tornará sua existência em algo que a valha
A eterna espera pela melhora
da mãe, da mão, do pé, do irmão
Poderia ser agora
mas não!
Da aprazível espera pelo e-mail
em resposta desejando um beijo, um grande beijo
Do desprezível aguardo
da resposta que atesta o retardo
Na sala de espera da vida
o tempo para, rasteja com joelhos curtos
Te deixam sozinho sem nenhuma revista
só com paredes, poltronas, criados mudos
Quando se tem a dimensão desse vórtex temporal
percebe-se que o presente é mais que imediato
e o longo passado é passado, de fato
Na espera tudo parece um encontro normal
mas ficar à espera é um coice
até o momento que se encontra uma dama
vestida de preto, empunhando uma foice.


Gus No Sant é pseudônimo de Gustavo Santos: um cara de Londrina (Pr), que gosta de ficar nos bares e não fazer muita coisa da vida. Eventualmente escreve textos de experiências pessoais, com o devido distanciamento. Gosta da linguagem cifrada, acha que poesia é frescura e que as coisas deveriam ser mais simples.
.

Um comentário:

Marcos Satoru Kawanami disse...

a vida é uma sala de esperma.

Dr. Cazzo