terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Pedacinhos de Estrela, por Samantha Abreu

foto de anastasia volkova
.
Eu não enfeito árvore. E não espero por presentes na madrugada.
Eu faço pedidos. Tenho desejos. Não renuncio aos sonhos.
E foi tentando fazer meus pedidos às estrelas, que anos atrás eu abri a janela e ergui a taça, que borbulhava, em oração:
.
.
Estrela, estrelinha,
Dê-me um inverno colorido,
com chuva fina.
E que sob os guarda-chuvas,
eu veja sorrisos
desconhecidos.

Coloque-me dentro da televisão,
e me faça a personagem,
aquela amante,
de um filme francês.
Gestos simples, olhos sensíveis,
sagacidade.

Quero uma,
uma única vida,
apenas esta.
E, ainda que curta,
arrebatadora.
Quero febres, quero amigos,
quero doer em gargalhadas
e perder o fôlego entre beijos.
Quero me contorcer de gozo
debaixo daquele homem, o meu.
Aquele, lá longe,
traga.

Estrelinha,
tim tim!
És como eu:
nasce, morre,
e precisas,
neste espaço breve,
explodir em pedacinhos brilhantes
que alguns chamam:
alegria.
Amém.”
.
.
Que no ano que vem ou em qualquer outro,
(sobre)viver não deforme nosso molde!
.

2 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Mulher, que você entre num fime francês para ser amante à moda de Brigitte Bardot.

Que o bicho tá pegando pro seu lado, ou não tá?

f.mungo disse...

Lindo e intenso, verso e prosa, uma oração pro desejo, e que ele se realize...