sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

O tempo cura todos os sonhos, por Janaina Lisboa

Luz apagada, pestanas acesas. Você toca em uma cicatriz em forma de estrela e lembra-se que há não muito tempo atrás, você veio ao mundo para virá-lo de ponta cabeça.

Tateando cada uma das cinco pontas da estrela você recorda que costumava olhar para os seus dedos dos pés e achava engraçada a forma que eles ficavam estáticos, duros, tensos a cada dois metros porque você acabou de aprender a andar.

Você escorrega, lá se vai o seu primeiro sonho. Leva um empurrão, tchau, segundo. Tropeçou no terceiro. Vacila novamente, o quarto. Você imagina se é sábio continuar contando enquanto eles caem, então, você vira a cabeça para frente e tenta fixar o olhar para continuar caminhando adiante.

Tateando a cicatriz de lua minguante, perto do bolso onde tem uns míseros trocados, você recorda que costumava olhar para os seus dedos dos pés e achava engraçada a forma que eles ficavam estáticos, duros, tensos a cada dois metros, porque você acabou de desaprender a andar.

Uma noite. Uma noite dessas, uma noite qualquer. Luz apagada, você não consegue fechar as pestanas. Fogo extinto, você não sente frio, você não sente nada além de que é melhor não cutucar os sonhos antigos. Pois, o tempo cura todos os sonhos, até os maiores e são exatamente esses que viram cicatrizes.

3 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

por que você está triste?

como anda a Pitanga, bem?

Gabriele Fidalgo disse...

São exatamente esses que viram cicatrizes.

beijos

Sunflower disse...

Pitanga, foi embora e nem me deu a chance de gritar Au revoir Shoshana.

Não estou triste, só tive vontade de escrever algo triste.