sexta-feira, 5 de março de 2010

Amor Monumental, por Janaina Lisboa

- Acorda, vem cá até a janela ver só. Ali, enxergas! Defronte à Casas Bahia, por de trás daquela cerca mal pintada? Aquela estrutura de ferro revestida de concreto. É, parece que nos ergueram um monumento! Quando chegarmos mais próximo, você vai ver que ele está cercado de flores e debaixo de nossos sapatos está escrito em letras douradas: “Que seu adorável e estável amor dure eternamente”. Você tem uma marreta, não tem? Então, te veste que vou chamar os piores grafiteiros que conheço e vamos até a rua destruí-lo. Ora mais, até o mais completo dos idiotas sabe que isso só pode significar uma coisa: agouro. Anda, te apressa, procura a tua marreta, pois já, já amanhece e se não fizermos algo logo estaremos unidos para sempre em cimento. O que vai ser fatal porque é da natureza das estátuas não se moverem nunca, e aquilo vai só ficar ali, parado, servindo pra nada além de banheiro de pombo e de refúgio para quem quiser fumar crack. Entendeu o que eu quis dizer? Ótimo. E a marreta, já achou?

2 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Sun,

então vc já tem alguém... oh! quem disse que o mundo é justo?

que será da esperança desta triste figura caipira do serrado paulista? sim, porque esperança, o capial, tê tinha...

este ingênuo Mazzaropi poeta, que tanto ponhetou por tua causa, talvez agora afogue o seu ganso nos copos de um bar. quem tem tem medo, mas, se de bêbo não tem dono, será meu destino acabar caindo de anel por ti?

pense num monumento na Aldeota, no Meireles, ou mesmo na Avenida Beira Mar:

O POETA QUE DEU O CARRETEL
POR AMOR DE RAPUNZEL


vc de pé cheirando um girassol, e eu de quatro na sua frente sendo enrrabado pelo Falcão!


=D
Marcos

a clara menina Clara disse...

Ficou lindo isso, Sun. Li no sunflower.

Tô pegando a marreta também.